bestcasinowebsitesonline -A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Ter

Vídeo- Veja os desbestcasinowebsitesonline -taques do depoimento de João Pedro

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o Movimento dos Trabalhadores Rurais ídeoVejaosdestaquesdodepoimentodeJoãbestcasinowebsitesonline -Sem Terra (MST) recebeu nesta terça-feira (15) o economista João Pedro Stedile, em um dos depoimentos mais esperados pelo colegiado.

Continua após a publicidade

Em mais de seis horas de sabatina, Stedile respondeu a questionamentos sobre temas como reforma agrária, acusações contra lideranças do movimento, comunismo, entre outros.

O dirigente, que é um dos principais nomes da luta pela terra no país, explicou, em uma de suas falas, a diferença entre "ocupação" e "invasão", o segundo termo é comumente atribuído às mobilizações dos sem terra, com vistas para a criminalização das ações do MST.

"Invasão de terra é crime, como fazem os fazendeiros do Mato Grosso do Sul invadindo terra indígena. O que o MST faz é ocupação de terra, como uma forma de pressionar para que se aplique a Constituição. Invasão de terra ou de qualquer bem público é quando alguém faz isso em proveito próprio, e aí se caracteriza como esbulho possessório e é criminalizado pelo Código Penal", comparou Stedile.

:: CPI do MST: Stedile aponta erros de procedimento em acusações contra lideranças

Assista:

O dirigente do MST prosseguiu ressaltando aspectos legais sobre a reforma agrária: "O que o nosso movimento faz, reconhecido pela jurisprudência, não é invasão. É ocupação, e a ocupação aqui não é esbulho possessório, tanto é que, para o seu desespero, das muitas ocupações que houve nesses 40 anos em todo o Brasil, ninguém foi preso ou condenado". "Se vocês querem acabar com a ocupação, desapropriem as grandes propriedades improdutivas, porque aí tem terra para todo mundo", argumentou.

Stedile também criticou o agronegócio brasileiro depois que o deputado Ricardo Salles (PL-SP), relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do MST, saiu em defesa do modelo de produção.

"O latifúndio não se interessa em produzir. Ele quer apropriar os bens da natureza para acumular a riqueza. Então ele se apropria de terra pública, madeira, minérios, água, biodiversidade e acumula riqueza. Mas qual é o benefício para a sociedade desse modelo? Nenhum. Qual é a contradição deles? Não têm futuro. A sociedade não aceita mais o latifúndio como forma de explorar a natureza."

:: Faíscas com bolsonaristas, apoio de aliados, críticas ao agronegócio: veja os destaques do depoimento de João Pedro Stedile na CPI do MST

Edição: Vivian Virissimo


Relacionadas

  • Faíscas com bolsonaristas, apoio de aliados, críticas ao agronegócio: veja os destaques do depoimento de João Pedro Stedile na CPI do MST

  • Stedile na CPI do MST: o candidato Salles, a fuga dos bolsonaristas e o fim da comissão

  • CPI do MST: ao lado de Salles, Stedile indica livro de delegado que investigou ex-ministro

  • 'O agronegócio produz riqueza, mas não desenvolve o país', diz Stedile em CPI do MST

  • CPI do MST: Stedile aponta erros de procedimento em acusações contra lideranças

Outras notícias

  • Acampamento do MST no DF recebe frente parlamentar para debater função social da terra

  • MST realiza Jornada Universitária em instituições de todas as regiões do país entre abril e junho

  • Educação sempre foi uma prioridade em assentamentos do MST

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


sitemap